Médico infectologista lança livro História das Epidemias

Libere as imagens para visualizar Da Antiguidade até os dias de hoje, as epidemias assombram o ser humano. Chegam sorrateiras e se instalam causando pânico e destruição. A desinformação impera e, não raro, demora-se a descobrir como a doença se propaga e o que fazer para dominá-la.

De lá para cá, muita coisa mudou. Se por um lado a Medicina evoluiu, por outro, vivemos cada vez mais aglomerados em grandes cidades, viajando muito mais pelo planeta, o que torna a situação mais dramática e difícil de controlar.

O infectologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, graduado e pós-graduado pela Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo, Dr. Stefan Cunha Ujvari trata, neste livro fascinante e atualíssimo, das epidemias e pandemias mais marcantes da nossa história. Como a humanidade conviveu com essas doenças? Qual a importância das primeiras vacinas e como elas surgiram?

Partindo da Grécia Antiga e chegando até os nossos dias, o livro aborda doenças como peste negra, sífilis, gripe e ebola. Dedica um capítulo para a covid-19 e mostra por que, afinal, essa doença parou o mundo.



Resenha via Editora Contexto

A Sociedade Paulista de Infectologia realizou uma entrevista com o especialista para falar sobre a nova obra e outros assuntos relacionados à infectologia. Confira abaixo:



1. Como surgiu a ideia de escrever este livro?
A ideia se iniciou com uma aula sobre a história das epidemias. Como iam surgindo fatos cada vez com mais intensidade, optei por iniciar uma apostila. Conforme apareciam mais dados nas pesquisas foi-se criando um livro.

2. Você já produziu algumas outras obras, tais como: A história da humanidade contada pelos vírus e Pandemias: A humanidade em risco. O que te motiva a escrever?
O motivo de escrever sobre o assunto é que as doenças infecciosas são dinâmicas, já que a todo instante surgem novas, enquanto as antigas reduzem de intensidade. Mas em algum momento reemergem as antigas e assim por diante. No livro História das epidemias fica claro que a mão do homem sempre está por trás do surgimento de uma epidemia. Qualquer alteração religiosa, social, política ou econômica pode precipitar o aparecimento de uma epidemia, e bem como a maneira como lidamos com ela em cada momento da história e no contexto da época. Nos períodos anteriores, as dificuldades estavam no entendimento das doenças e de como se disseminavam. No momento atual, ainda repetimos a história diante dos momentos de pânico das epidemias, com os famosos boatos e interpretações errôneas dos fatos. Uma história que se repete ao longo das epidemias.

3. Na sua opinião quais os maiores desafios para os médicos desde as primeiras pandemias até o momento atual?
Na minha opinião, a grande lição da Covid-19, que parou o planeta, será darmos muito mais atenção para esses vírus que surgem dos animais silvestres. Tivemos vários exemplos no passado como varíola, sarampo, aids, SARS de 2002, MERS, e os próprios vírus influenzas no caso de animais domesticados. Porém, nunca tomamos medidas mais enérgicas para evitar tais vírus. No caso único da Covid-19 e toda sua consequência econômica, social e psicológica, acredito que será necessário protocolos internacionais para conter o contato com animais selvagens a exemplo dos protocolos que já existem para conter o aquecimento do planeta. A própria China já proibiu a caça de animais selvagens diante dessa epidemia.

Deixamos aqui o nosso parabéns para o especialista pelo lançamento do livro e desejamos sucesso!

Para adquirir o livro, acesse o site da editora Contexto: www.editoracontexto.com.br ou disponível nas livrarias e na amazon.com





Veja todas Notícias da SPI